• Rancho Folclórico Neveiros do Coentral

    O Rancho Folclórico Neveiros do Coentral é um agrupamento etnográfico, constituído por naturais e descendentes do Coentral, concelho de Castanheira de Pera, pertencente ao distrito de Leiria.

  • As dancas e tocata

    Mostramos no folclore, as modas dos tempos idos...

  • Os trajos

    Museu vivo no trajar, o rancho veste à serrana...

  • DVD Coentral e os Neveiros

    Neste trabalho o Rancho Folclórico Neveiros do Coentral procura divulgar as mais típicas danças e cantares da Serra da Lousã...

  • Os Neveiros
    Os Neveiros

    Quem um dia foi Neveiro... Neveiro será para sempre... A nossa galeria de elementos dos Neveiros.

Próximos eventos

Sem eventos

Notícias recentes

Entrevista à Rádio Voz de Matosinhos

13-05-2016

A convite da Rádio Voz de Matosinhos, estivemos à conversa com Júlio Santos do programa radiofónico “Folclore, a Alma do...

Remodelação do Núcleo Museológico “A Cas…

20-09-2015

Após uma semana de intenso trabalho reabriu no fim-de-semana de 29 e 30 de Agosto, passado, o espaço remodelado do...

Magusto da Casa da Comarca da Sertã

10-11-2013

Por convite da Casa da Comarca da Sertã, o Rancho Folclórico Neveiros do Coentral atuou, no dia 09 de novembro...

Neste portal do Rancho Folclórico Neveiros do Coentral poderão encontrar informação sobre a sua fundação, história e atividade, sobre a sua origem geográfica, e sobre o núcleo museológico "A Casa do Neveiro".
castanheira-camara-municipal
Castanheira de Pera

As origens da vila remontam aos séculos XII, e em 1206 D. Pedro Afonso, filho bastardo de D. Afonso Henriques, concedeu-lhe o foral, que foi renovado mais tarde por D. Sancho I.

Castanheira de Pera, que pertenceu à freguesia de Santa Maria de Pedrógão e mais tarde, já como freguesia e em conjunto com a freguesia do Coentral, ao concelho de Figueiró dos Vinhos (1895-1899), é elevada a sede de concelho a 4 de julho de 1914 e é consequência direta da Revolução Industrial.

A região teve, desde sempre, tradição na indústria de lanifícios, fruto dos recursos naturais locais (pastagens, rebanhos, lãs e boas águas) e das artes e ofícios que sabiam as gentes (tosquiar, fiar, cardar, tecer, pisoar e tingir). Inicialmente de produção artesanal, em 1860 foi construída a primeira fábrica movida por roda hidráulica, que se destacou pela qualidade dos seus produtos.

Mais tarde, transformou-se no terceiro centro da indústria de lanifícios do país. Este desenvolvimento industrial foi complementado pelo desenvolvimento das vias de comunicação, por intermédio do visconde de Castanheira de Pera, António Alves Bebiano.

Das grandes fábricas do fim do século XIX, restam hoje apenas paredes e máquinas que formam um núcleo importante de arqueologia industrial. Melhor conservadas estão as inúmeras casas solarengas existentes na vila, bem como a Igreja Matriz (dedicada ao padroeiro São Domingos) que se eleva sobre uma ampla escadaria encimada por um antigo cruzeiro. No seu interior podemos encontrar uma peça do século XVI, talhada em pedra e representando a Santíssima Trindade, que faz as honras do templo.

Durante décadas, a economia do concelho assentou na indústria de lanifícios. No entanto, a chegada ao final do século XX, representou também a chegada da crise a este setor e, consequentemente, o encerramento de várias fábricas.

Abrindo um novo ciclo e aproveitando os múltiplos recursos existentes (ribeiras, serra, património, gastronomia e artesanato), Castanheira de Pera aposta hoje no turismo como motor do século XXI.